"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quarta-feira, abril 27, 2011

Ação policial para recolher drogas, armas e objetos em celas deixa dois detentos feridos


Dois detentos ficaram feridos ontem durante megaoperação pente-fino na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH. Agentes da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) fizeram uma vistoria nas celas da unidade para recolher drogas, armas e objetos irregulares mantidos pelos presos. A ação deve continuar hoje e faz parte de uma intervenção da nova direção da penitenciária, incumbida de tratar com mãos-de-ferro os problemas da unidade.

A decisão, segundo um funcionário que preferiu não se identificar, teria revoltado agentes da Seds envolvidos num esquema de corrupção e facilitações para entrada de entorpecentes, celulares e outros objetos. A secretaria nega a ocorrência de tumulto na penitenciária e informa que ninguém ficou ferido. A explicação é de que dois detentos ficaram feridos depois de serem atingidos por armamento não-letal e foram levados a uma unidade de pronto-atendimento (UPA) por estarem sob custódia do estado.

Na semana passada, o secretário de Estado de Defesa Social, Lafayette Andrada, teria destituído o diretor-geral da Nelson Hungria, Cosme Dorivaldo Ribeiro Santos, devido à repetição de irregularidades na penitenciária e, em seguida, nomeado para seu lugar um antigo conhecido dos presos: Luiz Carlos Danúzio, ex-comandante da unidade e, diferentemente do antecessor, tido como linha-dura. A operação de ontem seria deflagrada em segredo, mas, três dias antes, agentes penitenciários teria tomado conhecimento da intervenção e se revoltado com a alteração no esquema.

A mudança de postura no tratamento de presos e visitantes começou no fim de semana. As mães e mulheres dos detentos foram proibidas de levar ovos de chocolate para comemorar a Páscoa e, além disso, em vez de um agente monitorando a visita, como de costume, três funcionários fizeram a vigilância. Ontem, com a operação pente-fino na penitenciária, o cadastro de visitantes foi interrompido por tempo indeterminado, revoltando parentes que se deslocaram até a unidade prisional para preencher a ficha de visita.

Vinda de São Paulo, a cozinheira Odília Dias Reis, de 65 anos, tentava entregar um documento ao filho, preso, segundo ela, por porte ilegal de arma. Ela chegou à penitenciária às 11h e, em poucos minutos, teria ouvido uma sequência de tiros e bombas. “Conheço bem barulho de tiro. Depois que a imprensa chegou, eles pararam. Não há necessidade de se fazer isso. Mas, se houve tiro, houve tentativa de rebelião”, diz.

Depois da chegada à penitenciária da equipe do Estado de Minas, por volta de 13h, não foi ouvido nenhum disparo ou barulho semelhante. Mas fumaça preta subia da área superior da penitenciária, onde estão localizados os seis primeiros pavilhões. Às mulheres, por meio de telefone celular, os presos contaram que os agentes da Seds estavam exatamente nesses locais, vistoriando as celas, enquanto os pavilhões da parte baixa estavam sem agentes. Os presos não tiveram direito ao banho de sol.

De acordo com a assessoria de imprensa da secretaria, os estrondos faziam parte da operação e eram bombas de luz e som para “alertar os presos”. Sobre a suposta queima de colchões e roupas, que teria gerado a fumaça preta, a assessoria diz desconhecer o fato. Em relação à substituição dos diretores, a informação oficial dá conta de que é uma mudança rotineira e comum nas unidades. Os dois presos atingidos por munições não-letais teriam resistido e tentado impedir a vistoria nas celas. Eles estariam presos no mesmo pavilhão destinado aos presos da facção criminosa paulista Primeiro Comando da Capital (PCC).


Suspeitas


A série de irregularidades relacionadas à principal unidade prisional de Minas, onde está detida a maior parte dos presos mais perigosos do estado, se repete há alguns meses. O goleiro Bruno Fernandes de Souza, preso há quase um ano sob acusação de ter assassinado a ex-amante, Eliza Samudio, por exemplo, tem várias regalias, como o benefício de ser mantido num pavilhão separado, em companhia do amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão.

Em fevereiro, o pintor Marcos Antunes Trigueiro, de 32, conhecido como Maníaco de Contagem, sofreu um ataque de outro preso enquanto tomava banho de sol. Com uma faca, ele foi atingido no peito. Em outra ocorrência, no mês passado, o universitário Frederico Flores, acusado de comandar o Bando da Degola, usou maconha nas dependências da penitenciária, o que foi apontado em laudo de sanidade mental feito pelo Instituto Médico Legal.


Foto:Por volta de 13h, fumaça preta no telhado dos seis primeiros pavimentos revelou a ocorrência de confusão durante a vistoria de agentes nas celas

Fonte:http://www.em.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.