"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

terça-feira, dezembro 28, 2010

Corpo de Enfermagem da Fundação Casa denuncia violações de direitos

Esta semana, o mandato do deputado federal Ivan Valente recebeu a denúncia do Corpo de Enfermagem da Fundação Casa, órgão do governo do estado de São Paulo responsável por adolescentes em privação de liberdade, acerca de violação de direitos trabalhistas e dos internos.
Segundo as enfermeiras, o atendimento à saúde disponível aos adolescentes é precário. Os médicos passam pelas unidades somente duas vezes por semana e, no restante do tempo, é o Corpo de Enfermagem que cuida dos internos. No entanto, a maior parte das unidades não conta com enfermeiros ou auxiliares de enfermagem à noite. Somente o complexo da Vila Maria possui dois auxiliares à noite, para atender a centenas de jovens.
“Quando os meninos precisam, a medicação é dada por alguém que não tem instrução para isso, como um técnico da segurança”, conta uma enfermeira. “Às vezes somos obrigadas a fazer o atendimento por telefone, orientando outro funcionário. E isso é proibido. Mas, se não atendemos o telefone, depois a chefia diz que somos negligentes”, conta outra.
Direitos trabalhistas

As enfermeiras da Fundação Casa questionam como é possível fazer um bom atendimento aos adolescentes se nem mesmo os direitos dos funcionários são garantidos. Nos últimos anos, contam, a escala de trabalho foi alterada unilateralmente pela Direção da Fundação Casa e o Corpo de Enfermagem perdeu o direito às duas folgas que tinha no mês. O pagamento de horas extras também foi cortado e os novos funcionários não recebem o adicional insalubridade.
“Fizemos um concurso público para trabalhar 40 horas semanais, ou seja, 160 horas/mês. Hoje há meses em que trabalhamos 192 horas e não recebemos nada por isso”, contam. “A escala, que era de três dias de doze horas trabalhados por dois dias compensados, mais duas folgas e hora extra agora se transformou em um dia de 12 horas trabalhado para um dia compensado, sem folga e sem hora extra, estourando a carga de 40 horas semanais”, relatam.
Enquanto isso, os demais funcionários públicos estaduais da área da saúde trabalham 30 horas semanais, com a garantia das duas folgas. “Não somos tratados como servidores públicos”, reclama uma das enfermeiras.
Esta semana, o Corpo de Enfermagem protocolou denúncia na Procuradoria de Direitos Difusos e Coletivos do Ministério Público do Trabalho. A ouvidoria da Fundação Casa já havia sido comunicada da situação dos trabalhadores da saúde. O documento afirma que a mudança unilateral na carga e escala de trabalho dos enfermeiros afronta o princípio da segurança jurídica e causa prejuízos aos trabalhadores, que estão cumprindo a escala e até o momento não receberam quaisquer esclarecimentos sobre a forma como as folgas a que tem direito serão gozadas.
O deputado federal Ivan Valente se comprometeu em acompanhar a denúncia junto ao Ministério Público, cobrar informações da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania – à qual a Fundação Casa está ligada –, e analisar medidas jurídicas que possam ser tomadas para garantir os direitos dos adolescentes internos e dos trabalhadores e trabalhadoras da Fundação.
“Esta situação descrita pelo Corpo de Enfermagem é temerária e não pode continuar. A vida desses meninos está sob custódia do Estado. Já os funcionários da Fundação Casa devem ser tratados com respeito, como servidores públicos estaduais, e terem condições dignas para exercerem com qualidade seu trabalho. Vamos cobrar uma resposta do governo de SP para que esta situação mude”, afirmou Ivan Valente.
Fonte:http://psol50.org.br Data:01/10/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.