"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

domingo, setembro 19, 2010

Deputados cobram adicional de periculosidade para oficiais de Justiça

Durante a Reunião Extraordinária da manhã desta terça-feira (14/09/10), oito deputados, entre governistas e oposicionistas, cobraram a inclusão do Projeto de Lei (PL) 3.797/09 na pauta de votação do Plenário, sob aplausos dos servidores do Judiciário que lotaram as galerias. O projeto, de autoria do Tribunal de Justiça, concede um adicional de periculosidade de 40% do vencimento básico aos assistentes sociais e psicólogos judiciais, oficiais de Justiça avaliadores e comissários da infância e da juventude.
Além do debate sobre o adicional de periculosidade, durante a Reunião Extraordinária, houve o encerramento da discussão dos PLs 4.687/10 e 4.699/10, ambos do governador, que tramitam em regime de urgência e estão trancando a pauta.
O PL 4.687/10 autoriza o Executivo a ceder direitos creditórios e créditos diversos à empresa Minas Gerais Participações S/A (MGI), ou a um fundo específico, para que sejam negociados no mercado. Já o PL 4.699/10 autoriza a renegociação, por 10 anos, de direitos e créditos de financiamentos agrícolas, que o Estado assumiu quando privatizou o Bemge e o Credireal.
Projeto de adicional provoca debate entre governistas e oposição
Apesar de todos terem defendido a inclusão do PL 3.797/09 na pauta de votação, deputados da base de Governo e da oposição trocaram críticas e cobranças em relação ao assunto. Os deputados Carlin Moura (PCdoB), Weliton Prado (PT) e André Quintão (PT) acusaram a base governista de omissão. "A maioria governista não coloca o projeto em pauta e quer transferir para o Tribunal uma responsabilidade que é desta Casa", afirmou Quintão. O deputado Adelmo Leão (PT) ressaltou que o presidente da ALMG, deputado Alberto Pinto Coelho (PP), tem plenos poderes para incluir o projeto na pauta. "Se ele é subserviente ao Judiciário, ele está errado", afirmou.
Os deputados Sargento Rodrigues (PDT) e Domingos Sávio (PSDB) defenderam a base governista. Rodrigues atribuiu ao presidente do Tribunal de Justiça a responsabilidade pela demora na votação do projeto. "Não se trata de oposição e situação. Quem está empacando a votação é o próprio presidente do TJ. Quando chegarem projetos de interesse do Tribunal, vamos obstruí-los, para que o projeto dos servidores não fique nesse lenga-lenga", declarou. Já Domingos Sávio lembrou a independência dos poderes e ressaltou que a Comissão de Administração Pública, que ele integra, votou rapidamente o PL 3.797/09.
Os deputados Padre João (PT) e Délio Malheiros (PV), além de solicitarem a inclusão do PL 3.797/09 na pauta de votação do Plenário, defenderam também a aprovação de uma revisão das custas judiciais. "É uma vergonha essa tabela do TJ. Paga-se R$ 5 ou R$ 6,50 pelo cumprimento de um mandado judicial. A Lei diz que deve ser indenizatório. Isso não indeniza ninguém. É um desrespeito ao oficial de Justiça", afirmou Padre João. Délio Malheiros afirmou que o TJ deve R$ 45 milhões aos oficiais de Justiça e que essa revisão das custas pode gerar recursos suficientes para quitar a dívida.

Reunião Ordinária - Na Reunião Ordinária de Plenário na tarde desta terça-feira (14), o deputado Sargento Rodrigues voltou a defender a aprovação do PL 3.797/09. Ele reiterou que as negociações para a inclusão do projeto na pauta não avançam porque a Presidência do Tribunal de Justiça estaria intransigente em relação às reivindicações do Serjusmig, o sindicato dos servidores do Judiciário.
Fonte:http://www.almg.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.