"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

sábado, outubro 23, 2010

Famílias de jovens que fugiram de unidade sócioeducativa denunciam ‘castigos’

Mães, irmãs e amigos dos jovens que fugiram da Unidade Socioeducativa Aquiry e foram recapturados afirmam que eles sofrem torturas e maus-tratos pelos agentes, numa forma de castigo e represália pelo o que fizeram na noite do último domingo, 26, quando escaparam do local.
Sem ter contato com os menores, as famílias afirmam que as informações de maus-tratos chegam por meio dos próprios funcionários. A Gazeta ouviu ontem duas famílias que, morando em bairros distantes um do outro, apresentam relatos semelhantes. Por questão de segurança e medo de vingança, elas preferem não se identificar.
Além da violência que sofreriam com tapas e pontapés, os agentes estariam deixando os infratores somente de cueca, além de não disponibilizar colchões. Uma das mães afirmou que ia devolver o filho à unidade, mas ao ser informada do que passava no interior preferiu deixá-lo foragido.
Outra mãe do bairro Taquari também tomou a mesma decisão ao saber do espancamento. Até mesmo os que não fugiram são penalizados. Não bastasse o sofrimento ocasionado pela situação da fuga, muitas delas passaram a ter a casa invadida por policiais militares que estão na capturas dos menores.
Até mesmo a residência dos jovens que ficaram na unidade têm recebido a visita de PMs. Moradora do Montanhês, a irmã de um deles afirma que presenciou a cena da apreensão de um procurado.
Segundo ela, os policias desferiram dois murros nas costas dele. Ao imobilizá-lo disseram: “Nós não vamos fazer nada, mas lá dentro [da unidade] a coisa tá pegando.”
Ao procurar informações na direção da unidade sobre o que estava acontecendo, uma das mães foi informada “de que lá dentro eles tinham as próprias leis”. Uma declaração de afronta diante de pessoas humildes e sem muita noção dos direitos garantidos.
Questionadas se relatos de agressões são comuns pelos jovens, as mães dizem que antes da fuga houve o caso de espancamento e isolamento de um deles. “Ele ficou tão traumatizado com a surra que nem conseguiu fugir no domingo”, afirma a prima.
Outro lado - Procurado para falar sobre as denúncias, o presidente do Instituto Sócioeducativo, órgão responsável por cuidar dos menores infratores, Casio Silveira, negou os relatos de violência e maus-tratos. “Não há nenhuma norma interna para esse tipo de represália”, disse. Sem entrar em detalhes de caso de agressões, ele preferiu falar sobre a transferência deles de um pavilhão para outro. .
Segundo ele, denúncias do tipo devem ser encaminhadas à direção da unidade, e então investigadas. Comprovada-as, os envolvidos serão punidos.
Também procurado, o comandante da Polícia Militar, coronel Romário Célio, afirmou que não é dada orientação para os policiais agir com violência.
De acordo com Célio, as denúncias de eventuais abusos devem ser formalizadas à Corregedoria para maiores apurações.
‘Nunca recebemos visita de juiz ou promotor’, diz ex-interna
A jovem Tatiane Oliveira de Souza, 20, foi apreendida e sentenciada pela Justiça em 2005. Ela prefere não falar o motivo por que perdeu a liberdade. Então com 15 anos, ela afirma que casos de maus-tratos pelos agentes sócioeducativos são comuns. Agora livre, ela vê o drama de seu irmão foragido da Unidade Aquiry.
Durante o tempo que ficou recolhida, Tatiane afirma que nunca recebeu a visita de juízes ou promotores para acompanhar as condições do local. “Eles só sabem nos jogar lá e esquecem”, diz.
Ela afirma que os jovens estão sujeitos aos temperamentos e boa vontade dos agentes. “Dependemos deles para tudo; para beber água, comer e ir ao banheiro.” Quando estão de bom humor, fazem o trabalho sem reclames. Já quando as coisas não vão bem, os infratores ficam à mercê.

Fonte:http://agazeta.net
Fabio Pontes, do Jornal A Gazeta
Qui, 30 de Setembro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.