"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

sexta-feira, outubro 15, 2010

Tropa de Elite Socioeducativo

O alvo da tropa agora são os políticos

Por Luiz Guilherme


Como diz bem o slogan do filme, o inimigo agora é outro. O buraco é mais embaixo, ou em cima, se preferir. Se no primeiro Tropa de Elite víamos bandidos de camisa de regata e chinelo sendo torturados e mortos a sangue frio, nesse nos é mostrado outro tipo de bandido, que costuma usar terno e gravata: os políticos corruptos e outros “colarinhos brancos” que se aproveitam de qualquer situação para ganhar mais dinheiro e poder. A corrupção começa no topo do poder antes de chegar na polícia, na mídia e nos morros, e é nessa ferida que José Padilha espreme um limão inteiro.

Depois de assistir “Tropa de Elite 2” (2010), saí pensativo da sala de cinema. E satisfeito com que tinha visto. Demorei mais de uma hora na fila pra conseguir um ingresso para a última sessão. Olhando pelo lado positivo, isso é animador para o cinema nacional. Nunca vi uma mobilização tão grande para assistir um filme brasileiro nas telonas. Palavra de quem já está mais do que acostumado a ver filas imensas para assistir as grandes produções norte-americanas.

Sobre o filme, “Tropa de Elite 2” continua violento e polêmico, porém mais reflexivo que o original. O Capitão Nascimento (interpretado magistralmente por Wagner Moura) está de volta após 15 anos dos acontecimentos do primeiro filme não como capitão, mas como Tenente-Coronel do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais). Quem está comandando a tropa nas ruas agora é o seu pupilo, capitão Matias (André Ramiro), que há muito tempo deixou de ser aquele aspira ingênuo. Depois de uma ação desastrada da tropa de elite durante a rebelião no Bangu 1, em que bandidos são mortos, o coronel Nascimento fica “queimado” com o governador, contudo é aclamado por parte da sociedade. Após uma saraivada de críticas, encabeçadas pelo professor de história Fraga (Iradhir Santos), ativista dos direitos humanos e maior crítico dos métodos de combate não convencionais dos “caveiras”, o Coronel Nascimento é exonerado do Bope e, segundo as suas próprias palavras, “caiu pra cima” porque vira subsecretário de segurança do Rio de Janeiro, o responsável pela inteligência e por comandar grampos e investigações. Nesse cargo, ele transformar o Bope numa máquina de guerra e consegue dar um jeito no tráfico da capital fluminense, mas aos poucos ele descobre que a bandidagem está longe de ter um fim ao perceber que, com o tráfico fora do caminho, surge outro problema: a milícia. Tudo isso ao mesmo tempo em que o coronel Nascimento enfrenta problemas pessoais, como o distanciamento do filho adolescente com quem tenta uma reaproximação.
Assim como no primeiro filme, o Coronel Nascimento é responsável por narrar em off, de forma até didática, tudo que se passa diante dos olhos do espectador. A diferença é que na continuação, ele é o protagonista. Outro personagem que merece destaque é o deputado Fraga, contraponto do coronel Nascimento em todos os aspectos. Para resolver o problema da violência urbana, ele prefere o diálogo a tiros e torturas; e apesar dele e Nascimento não “se bicarem” de jeito nenhum, cada um, à sua maneira, luta por uma sociedade mais justa. Fora os dois, há uma galeria de personagens marcantes, como o corrupto capitão Fábio (Milhem Cortaz), dono dos novos bordões, que serão repetidos pelos fãs do filme, o cruel líder da poderosa milícia da zona Oeste, Russo (Sandro Rocha) e o hilário apresentador de um programa sensacionalista de TV, Fortunato (André Mattos).
“Tropa de Elite 2” é superior ao primeiro filme, principalmente pelo roteiro que desfaz alguns mal entendidos deixados pelo primeiro longa. O principal deles é a de que o Bope era a solução definitiva para a violência do Rio de Janeiro. Na continuação, “os caveiras”, além de serem deixados um pouco de lado, são mostrados como apenas uma peça nesse tabuleiro da violência urbana, pois são eles que, ao eliminar os traficantes, acabam abrindo caminho para o fortalecimento das milícias, formadas por policiais corruptos que dominam as favelas, exploram os moradores de forma tão ou mais violenta que os traficantes e transformam as comunidades em “currais eleitorais”.
Como diz bem o slogan do filme, o inimigo agora é outro. O buraco é mais embaixo, ou em cima. Se no primeiro Tropa de Elite víamos bandidos de camisa de regata e chinelo sendo torturados e mortos a sangue frio, nesse nos é mostrado outro tipo de bandido, que costuma usar terno e gravata: os políticos corruptos e outros “colarinhos brancos” que se aproveitam de qualquer situação para ganhar mais dinheiro e poder. A corrupção começa no topo do poder antes de chegar na polícia, na mídia e nos morros, e é nessa ferida que José Padilha espreme um limão inteiro.
Apesar de ser uma ficção, é impossível não associar muitas das cenas do filme a fatos reais e a personagens reais. As cenas de ação, aliás, são de tirar o fôlego. Na medida pra atrair o público jovem, predominante na sessão em que eu assisti – a maioria, aparentemente, jovens eleitores. Por isso, acho ótimo que o filme vá além dos tiros e palavrões, e de alguma forma convide esse público jovem a refletir sobre a importância de votar consciente – a reflexão, é claro, é muito bem vinda ao velho eleitor também. Esse, talvez, seja o maior acerto do roteiro: mostrar que apesar de toda a corrupção existente na sociedade, ainda há pessoas dispostas a fazer a diferença e que, portanto, merecem os nossos votos. Resta a nós, eleitores, deixarmos o comodismo de lado e garimpar os bons políticos e não, numa revolta imatura, votar no Tiririca como em forma de protesto alegando que nenhum político presta e que por isso pior do que está não fica. Além de um filme excelente (do ponto de vista técnico), merecedor de bater todos os recordes nas bilheterias e de, quem sabe, representar o cinema brasileiro no Oscar em 2012, essa é uma nobre contribuição que o filme acaba nos trazendo. Muito bem vinda, por sinal, em ano de eleição. Só lamento o filme não ter estreado muito antes do primeiro turno.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.