"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quarta-feira, janeiro 12, 2011

Justiça interdita unidade de internação de adolescentes em SC

Wanderlei Salvador
Depois de denúncias de tortura e outros tipos de agressão a adolescentes que cumprem medidas socioeducativas, a Justiça interditou o Centro Educacional São Lucas, no município de São José (SC).

Apesar de elogiar a atitude, Daniel Issler, juiz auxiliar do Conselho Nacional de Justiça, defendeu que também seja interditado o Plantão Interinstitucional de Atendimento (Pliat), de Florianópolis, onde haveria situação de violência idêntica.
No último dia 7 de dezembro, o CNJ já havia recomendado ao governador Leonel Pavan o fechamento das duas unidades por estarem em desacordo com as diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente e do Sistema Nacional de Medidas Socioeducativas (Sinase).
“Não se pode esquecer da Pliat, que também deve ser interditada. Essas duas unidades são verdadeiras masmorras, depósitos de adolescentes. Elas se prestam a ações de vingança e punição aos internos, que em nada contribuem para a sua ressocialização”, afirmou Issler.
O juiz é um dos coordenadores do Programa Medida Justa, do CNJ, que percorre o país para fazer um diagnóstico da situação processual dos adolescentes privados de liberdade e das condições física e pedagógica das unidades de internação. Ele foi criado para que os adolescentes tenham tratamento diferenciado dos adultos. O programa busca, dessa forma, acelerar o processo de implantação das diretrizes do ECA e do Sinase.
No mês de agosto, a equipe do Medida Justa visitou 20 unidades de internação em 16 municípios de Santa Catarina. O relatório gerado a partir da visita traz reclamações dos internos do Pliat e do São Lucas sobre agressões, tortura e humilhação. Segundo os relatos, os monitores fazem dos castigos físicos uma rotina, com o uso de armas de fogo e de algemas de pulso e de tornozelos.
O documento retrata, ainda, que nas unidades de Pliat e São Lucas “notou-se que o grupo de monitores, ao invés de internalizar os valores protetivos e socioeducativos no tratamento dos adolescentes, que são próprios da principiologia estabelecida pelo jurídico pátrio, vivenciam cultura de dominação e intimidação”.
Na unidade Pliat, definida como “semelhante a uma masmorra da Idade Média”, a equipe do CNJ viu, em cada um dos alojamentos, três ganchos presos à parede. Segundo queixas dos adolescentes, ali eles são algemados nus e, em seguida, agredidos e torturados. Além disso, os internos contaram ser obrigados a urinar dentro de seus próprios alojamentos, em garrafas tipo pet. Isso ocorre quando eles não conseguem ir ao banheiro porque os monitores se negam a abrir a grade do alojamento. E, quando autorizados a ir, o banheiro não dispõe de portas que garantam um mínimo de privacidade.
Os reeducandos denunciaram também que são obrigados a lavar os pratos sujos deixados pelos monitores e que, por motivos fúteis, ou mesmo sem motivo, são agredidos. O clima de intimidação na Pliat se reflete também nas caveiras que adornam o quadro de avisos e nas camisetas pretas dos monitores que, segundo relato dos menores, portam, durante a noite, pistolas calibre 380.
O relatório foi encaminhado ao presidente e ao corregedor-Geral do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, ao procurador-geral de Justiça do Estado e aos juízes de Direito responsáveis pela fiscalização do sistema socioeducativo local. Entre as recomendações do CNJ, estão a capacitação e atualização de magistrados e servidores das varas da Infância e da Juventude para a melhoria da prestação jurisdicional. Com informações da Assessoria de Comunicação do CNJ.
Fonte:http://www.adjorisc.com.br
Nota dos Administradores do blog: Atenção corpo diretivo dos centros de internação de Minas Gerais, vocês que estão tomando medidas discriminatórias, principalmente contra aos colegas contratados, para puni-los e ameaçando os efetivos dizendo que irão abrir processos administrativos, fique sabendo que agora a categoria está organizada e não vamos mais permitir estas atitudes infantis.
Inventar motivos para punir alguém é crime e podem ter certeza que vamos cobrar. Então vocês ai no São Jerônimo que acham que tem todo o poder para fazer o quiser com os Agentes a ponto de querer abrir processos administrativos por um fato simples de ser resolvidos em reuniões com a equipe, fique sabendo que em um processo tem varias partes e momentos e um deles e a apresentação de documentos e vocês irão inventar algum para acobertar as suas mentiras? Cuidado, se vocês querem ainda ter um emprego comece agora a consertar os erros e parem com estas besteiras em perseguir os colegas, eles estão fazendo o trabalho de forma profissional diferente de vocês que está ai por apadrinhamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.