"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

terça-feira, julho 26, 2011

Lembra deste caso ?

Pouco mais de cinco meses após interromperem de maneira trágica a carreira do jogador do América William Morais, 19, os três acusados de cometerem latrocínio - roubo seguido de morte - contra o atleta foram condenados pela Justiça. Na decisão, a juíza da 9ª Vara Criminal do Fórum Lafayette, Neide da Silva Martins, determinou que Hebert Lopes dos Santos, 18, e Darisson Ferraz da Silva, 18, cumpram a pena de 20 anos e seis meses em regime fechado. Já Daivisson Carlos Basílio Moreira, 23, foi condenado a 21 anos e seis meses. O trio ainda poderá recorrer da decisão. Os três estão presos.

O crime foi cometido em fevereiro deste ano, quando William saía de um sítio no bairro Santa Terezinha, na região da Pampulha, na companhia da namorada. O jogador foi rendido pelos suspeitos, que queriam roubar a corrente de prata usada pela vítima. Ao tentar correr da abordagem, o atleta acabou baleado com um tiro no peito. A bala atingiu o coração e ele morreu na hora.

Durante o processo, Darisson da Silva confessou ser o autor do crime. No entanto, a versão apresentada por ele e pelos comparsas contradiz as investigações da Polícia Civil e a denúncia feita pelo Ministério Público Estadual (MPE) no decorrer das investigações. Segundo Silva, ele mexeu com a mulher que estava com o jogador. Os dois teriam se desentendido e ele acabou atirando.

Recurso. É com base nessa alegação que a defesa dos acusados pretende recorrer da sentença. O advogado de Hebert Santos, Crisvone Vieira Araújo, afirmou que o latrocínio não aconteceu. "O Darisson confessou que foi uma discussão por causa da menina. Os laudos da perícia, as fotos da vítima não mostram que há marcas de que a corrente foi arrancada", alegou.

De acordo com o defensor, ele entrará com recurso para desclassificar o crime de latrocínio - cuja pena é de 20 a 30 anos de prisão - para homicídio simples - que tem pena prevista de 6 a 20 anos de prisão.

Na instrução do processo, foram ouvidas 11 testemunhas e os três acusados. O advogado de Darisson da Silva não foi encontrado para comentar a decisão. A reportagem também tentou falar com o promotor responsável pelo caso, mas a assessoria do MPE não conseguiu localizá-lo.

Defensor já recorreu da decisão
O advogado Roosevelt Caldas Pimenta, que defende Daivisson Moreira, afirmou ontem já ter entrado com recurso no Tribunal de Justiça pedindo a revisão da sentença. Ele alegou que seu cliente não participou da morte de William Morais e disse que o rapaz sequer estava no local do crime.

"Ele (Daivisson) acabou condenado por ser uma pessoa humilde e ter em seu antecedente o uso de maconha", afirmou o defensor. Segundo Pimenta, ele apresentou três testemunhas que confirmaram a versão. (RR)
Fonte: O Tempo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.