"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

sexta-feira, janeiro 20, 2012

Minas Gerais adia adesão ao plano nacional contra o crack

Programa lançado há mais de um mês disponibiliza R$ 4 bi para os Estados
GABRIELA SALES

Mais de um mês após o governo federal anunciar a liberação de dinheiro para um plano nacional de enfrentamento ao crack, Minas Gerais ainda não aderiu às medidas propostas pelo programa.
A justificativa da Subsecretaria de Políticas sobre Drogas (Supod) para a demora na apresentação de um planejamento é que a prioridade são os projetos já criados e executados pelo Estado.

O pacote lançado no dia 7 de dezembro prevê investimentos de R$ 4 bilhões, nas áreas de saúde, justiça e educação. Entre as principais medidas, estão a abertura de consultórios de rua e a instalação de enfermarias em hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) para atendimento a dependentes. Para a liberação dos recursos, os Estados devem apontar quais são os municípios com maior consumo.

Não há prazo para a apresentação dos planos estaduais, mas a verba para a execução já está disponível desde o mês passado. O governo mineiro informou que o projeto de Minas será finalizado neste mês. "Estamos realizando estudos nas áreas de saúde e segurança. O governo federal também está planejando o que pode ser adotado no Estado", disse o subsecretário Cloves Benevides.

Enquanto isso, Minas aposta na eficácia de suas próprias ações. Lançado em agosto do ano passado, o programa Aliança pela Vida oferece atendimento ao usuário e à família. Dos 207 viciados abordados até dezembro, 178 aceitaram se submeter ao tratamento.

Já o cartão Aliança pela Vida dá auxílio de R$ 900 às famílias que assumem as despesas de tratamento de usuários. A secretaria concedeu 30 benefícios desde agosto. Outros 120 aguardam liberação. Já foram disponibilizados mil cartões.

Para o coordenador do Centro de Estudos em Segurança Pública e Direitos Humanos da Universidade Federal do Paraná, Pedro Bodê, a lentidão nas ações de combate prejudica os resultados. "Mais do que análises e estudos, precisamos de medidas que, de fato, auxiliem o dependente".

Fonte: http://www.otempo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.