"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

terça-feira, novembro 22, 2011

Recuperação ameaçada

Especialistas defendem liberdade assistida, em que o infrator é alvo de análise multidisciplinar

Gabriela Sales
A superlotação e a falta de infraestrutura no atendimento aos menores podem comprometer diretamente a recuperação dos adolescentes detidos.

Para especialistas, a internação é uma medida de primeiro apoio ao infrator e, por isso, deve oferecer uma estrutura adequada. "É nesse momento que o jovem poderá identificar a ajuda que precisa. Por isso, a importância de um espaço que ele se sinta seguro", explica a ex-coordenadora do Programa Liberdade Assistida de Belo Horizonte, a psicóloga Cristiane Barreto.

O especialista em segurança pública Luiz Flávio Sapori destaca que a superlotação pode trazer problemas ainda maiores durante a ressocialização. "Esse impacto negativo pode favorecer a esse adolescente a ideia de que não existe uma recuperação ou uma eficiência na lei ".

Para a terapeuta e psicopedagoga Valéria Eugênia Silva, essa deficiência no atendimento ao jovem infrator pode resultar em delitos ainda mais graves no futuro. "Quando eles saírem da internação, o resultado pode ser desastroso, já que a revolta está ainda maior com a situação vivida", salientou.

Ainda segundo Valéria, que é especialista no atendimento em menores infratores, a família do menor também deve passar por um acompanhamento. "Se esses meninos estão nessa situação é porque eles nunca tiveram uma estrutura familiar, e isso precisa ser mudado. A ajuda da família é primordial para que esse jovem não volte para o mundo do crime", disse.

Medida. Uma das alternativas à falta de vagas está na aplicação da medida de liberdade assistida. A sanção, que também está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), determina a supervisão de uma equipe multidisciplinar durante o cumprimento da pena. "Atendimento psicológico, assistência educacional e atividades de cultura e lazer estimulam o desenvolvimento do jovem", ressalta Valéria Silva.

Segundo Sapori, a adoção da medida pode diminuir a escassez de vagas nos centros de internação no Estado. "Não resolveria o problema, mas sabemos que muitos jovens poderiam cumprir a pena através de um acompanhamento especializado", disse.

Porém, a psicóloga Cristiane Barreto pondera, ressaltando que o sucesso da medida depende da garantia do atendimento básico aos jovens. "É preciso uma supervisão eficaz de educação, saúde e assistência psicológica. Caso contrário o jovem não se sentirá amparado", salientou.
Fonte: http://www.otempo.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.