"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

domingo, setembro 25, 2011

Adolescentes procuram traficantes em busca de dinheiro fácil

Família dos jovens aliciados costuma ser desestruturada

A forma mais conhecida de aliciamento é o traficante oferecer dinheiro a um adolescente em troca de algum tipo de favor. Mas muitas vezes ocorre o inverso, afirma a promotora da Infância e Juventude de Florianópolis Vanessa Cavallazzi.

Com Mário foi assim. Ele queria dinheiro e procurou o traficante porque gosta de usar tênis Nike Shox, que custa R$ 800. O adolescente afirma que vender maconha, crack e cocaína dá lucro. Além dos produtos de marca, sobra para beber bem e bastante nas baladas.

Vanessa diz que, por trás deste raciocínio, há uma extensa rede de problemas sociais e falta de perspectiva. Ela conta que a família dos jovens aliciados costuma ser desestruturada. A começar pela figura masculina. São poucos os casos de adolescentes com pais, e raros os homens que servem de modelo.

A promotora relata que quem cria é a mãe. Para colocar comida na mesa de uma família numerosa, que muitas vezes incluiu neto, ela passa 12 horas fora de casa. A consequência são crianças sem supervisão adequada. Um turno na escola e outro ao “Deus dará”.

Ex-desembargador e professor de Direito Penal da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Nilton Macedo Machado concorda que a família falha, e diz que a sociedade se omite. A lei determina que nestes casos o Estado é responsável pelo adolescente. Mas ele afirma que a realidade é diferente do papel.

O advogado da Infância e Juventude Enio Gentil Vieira Júnior ressalta que, mesmo que as famílias intercedam, esbarram em uma concorrência desleal. Enquanto a mãe impõe limites, o traficante permite tudo e ainda paga para as regras serem quebradas.

Os problemas não costumam acabar quando a Justiça determina uma medida socioeducativa. Segundo Vanessa, alguns centros para adolescentes infratores descumprem a lei que obriga a separação de adolescentes por gravidade do ato infracional, idade e porte físico. Também não oferecem cursos profissionalizantes.

No Centro Educacional São Lucas, o maior do Estado, em São José, houve uma denúncia de tortura há dois anos. Dois promotores foram à instituição, diz Vanessa. Encontraram porretes com apelidos sugestivos. Um deles foi batizado de “Estatuto da Criança e Adolescente”. A promotora conta que já houve melhora.

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.