"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quarta-feira, setembro 28, 2011

Reincidência de adolescente infrator em Franca chega a 5%

Com modelo pedagógico contextualizado, Fundação Casa apresenta bons resultados

José A. Souza/DF

Franca tem sido um modelo diferenciado no tratamento às crianças e adolescentes infratores. O município não tem medido esforços para a instalação de todos os instrumentos necessários para queesse atendimento seja preventivo ou até mesmo durante aplicação de medidas sócias educativas. Desde que foi instalada em Franca, a unidade da Fundação Casa tem feito um trabalho diferenciado com os adolescentes graças ao modelo pedagógico contextualizado implementado na unidade, a segunda no Estado a adotar esse procedimento. Com isso, a reincidência ao crime entre os adolescentes que passam pelo local tem sido numa média de 5%.
A avaliação é da diretora da unidade, a assistente social Rosângela Cristina Fernandes Oliveira Caetano. Numa parceria com a pastoral do menor, chamada de gestão compartilhada, a unidade tem o representante da ONG - Organização Não Governamental, o contador Douglas Fernandes Rosa. O trabalho está sendo um dos mais atuantes e, graças ao modelo implantado, os resultados surgem naturalmente.
A ação envolve não só o adolescente infrator, mas também a família e a sociedade, revela Rosângela Oliveira Caetano.
A falta de estrutura familiar tem sido, em sua grande parte, a responsável pelo envolvimento do adolescente no mundo do crime. E a porta de entrada sempre está relacionada às drogas.
E para muitos adolescentes que estão iniciando na atividade criminosa o sofrimento é enorme ao ser recolhido para cumprimento da penalidade sócio educativa. Na unidade de Franca 55 adolescentes cumprem regime de internato; 14 fazem a internação tipo república e 11 estão em internação provisória.
Na entrevista deste domingo, a diretora da Fundação Casa, Rosângela Oliveira Caetano traça um perfil desses jovens e as atividades desenvolvidas durante o período em que eles estão recebendo as medidas previstas no ECA - Estatuto da Criança e Adolescente.

Diário da Franca: Muitos não sabem o que é a Fundação Casa, e a conhecem por FEBEM. Em termos de ações e atividades com os adolescentes infratores muda alguma coisa?
Rosângela Cristina Fernandes Oliveira Caetano: A Fundação CASA não mudou apenas seu nome, mas a forma de atendimento de acordo com sua missão executar a medida sócio educativo buscando ser eficiente, eficaz e efetividade, para que o adolescente atendido se torne protagonista de sua história.

Diário: Como funciona o atendimento na unidade (Casa) de Franca?
Rosângela Caetano: O atendimento oferecido ao adolescente aqui em Franca no CASA, Arcebispo Dom Helder Câmara é baseado no Modelo Pedagógico Contextualizado, onde os adolescentes são trabalhados, suas famílias e o contexto social onde vive.

Diário: Os adolescentes ficam encarcerados, mas possuem atividades extras?
Rosângela Caetano: Conforme este modelo de atendimento, a inclusão social deste adolescente começa a ser trabalhada desde sua chegada na Unidade e ele gradativamente vai conquistando sua liberdade com responsabilidade através de atividade externas como, atividades culturais, esportivas, acadêmicas e até mesmo inclusão no mercado de trabalho e retorno ao meio familiar.

Diário: Hoje cada adolescente custa quanto para o Estado?
Rosângela Caetano: Os adolescentes custam para o estado R$ 106 por dia.

Diário: Como é a parceria com a Pastoral do Menor e seu funcionamento?
Rosângela Caetano: O trabalho desenvolvido no CASA Arcebispo Dom Helder Câmara representa uma Gestão Compartilhada entre a Fundação CASA e a Pastoral do Menor, onde a Fundação CASA oferece todo o seu aporte financeiro, a direção e fiscalização dos recursos repassados e da segurança da Unidade, e a Pastoral do Menor com a parceria na execução do atendimento, sendo responsável pela contratação da equipe de profissionais da áreas: Pedagógica, Saúde, administrativa, psicossocial e operacional além de contratação de
prestadores de serviços, como alimentação, transporte, etc.

Diário: Os adolescentes infratores de Franca participam das ações preparadas pela Fundação Casa e algum deles se destacou em alguma modalidade?
Rosângela Caetano: Os adolescentes do CASA Arcebispo Dom Helder Câmara participam das ações preparadas pela Fundação CASA e se destacam em todas, seja culturais esportivas sempre conquistam as primeiras colocações, inclusive receberam medalha de ouro por duas vezes.

Diário: A senhora acredita na ressocialização de adolescentes infratores?
Rosângela Caetano: Acredito no ser humano, por esta razão trabalho por esta causa.

Diário: É possível (a senhora tem exemplos) de garotos que chegaram e não voltaram mais para o crime?
Rosângela Caetano: Muitos, a nosso índice de reincidência é cerca de 5%.

Diário: Desses adolescentes que estão recolhidos na Casa de Franca, o crime que eles cometeram tem mais a ver com organização criminosa, assaltos ou tráfico de drogas?
Rosângela Caetano: Tráfico de drogas.

Diário: Pelos levantamentos da administração é possível diagnosticar os problemas de cada jovem?
Rosângela Caetano: Um dos procedimentos em meio ao processo de cumprimento da medida é realizado pelo diagnóstico situacional bem como um Plano Individual de Atendimento.

Diário: Muitos deles não têm estrutura familiar, religião, e por isso partem para o crime?
Rosângela Caetano: Sim. Por isso é importante que a família esteja acompanhando diretamente as ações da criança e adolescente.

Diário: Na sua visão, o que é necessário a sociedade fazer ou o poder público para reduzir o número de adolescentes infratores?
Rosângela Caetano: Trabalhar preventivamente e investir na família.

Diário: A unidade de Franca também tem celas para meninas que cometem infração?
Rosângela Caetano: Existe um dormitório com capacidade para 2 vagas para adolescentes do sexo feminino na UAI (unidade de Internação Inicial) (art. 175 do ECA).

Diário: Muitos adolescentes "assumem" a bronca de traficantes ou criminosos por causa da impunidade?
Rosângela Caetano: Provavelmente exista algum caso.

Diário: Qual o tempo máximo de permanência de um adolescente na unidade?
Rosângela Caetano: Conforme preconiza o ECA, a medida sócio educativa varia de 6 meses a 3 anos.

Diário: Entre os muitos casos de menores que chegam a ser recolhidos houve algum caso que a comoveu?
Rosângela Caetano: Muitos casos, mas prefiro guardá-los prá mim mesma, mas muitos foram chocantes.

Diário: No caso de adolescentes que são viciados, existe um tratamento específico?
Rosângela Caetano: Sim, existe um trabalho socioterapeutico realizado por profissionais da unidade e em alguns casos existem o encaminhamento para a rede pública.

Diário: Como foi para a senhora ocupar a direção da Fundação Casa. E uma experiência profissional?
Rosângela Caetano: Existe toda uma trajetória na área de muitos anos e me sinto realizada enquanto profissional.

Diário: A senhora acha que o atual sistema e a legislação contra o menor (ECA) ainda falha na punição ao adolescente infrator?
Rosângela Caetano: Acredito na educação como solução e não há educação sem disciplina.

Diário: Para um adolescente infrator (primário) o sofrimento é grande quando chega a ficar recolhido?
Rosângela Caetano: Sim, na maioria dos casos, pois não sabem o que é limite.

Diário: Além da prisão, o menor também presta serviços comunitários e quais outras atividades que eles desenvolvem dentro da lei?
Rosângela Caetano: Não é prisão, o adolescente cumpre uma medida sócio educativa e conforme o projeto de vida de cada um realiza as atividades correspondentes.

Frases
"Acredito na educação como solução e não há educação sem disciplina"
"Conforme preconiza o ECA, a medida sócio educativa varia de 6 meses a 3 anos"
"Existe um dormitório com capacidade para 2 vagas para adolescentes do sexo feminino na UAI "


Fonte: http://www.diariodafranca.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.