"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

sábado, fevereiro 25, 2012

ADOLESCENTE INFRATOR - PREVENÇÃO POSSÍVEL?

Lina Aparecida Zardo**Pediatra e professora universitária aposentada.
ZERO HORA

Impossível não ficarmos tocados com a série de reportagens sobre os adolescentes infratores. A análise sobre os péssimos desfechos de um grupo, após dez anos de atendimento socioeducativo, nos horrorizou. A pediatra Joelza, guerreira no assunto de maus tratos infanto-juvenis e diretora da Fase, mostra-se apreensiva e fala que muitas mudanças precisam ser feitas. Um psiquiatra do mesmo serviço manifesta total descrença sobre as chances de cura ou reabilitação dos internos infratores. Trago, então, o tema tentando repensar a prevenção, em como evitar o nascimento de jovens delinquentes.

Quando iniciamos os estudos sobre adolescência aqui no Rio Grande do Sul, nos anos 80, buscamos subsídios de várias fontes: no Rio e em São Paulo já existiam serviços vinculados às Faculdades de Medicina e alguns países já possuíam tradição de atendimento clínico nesta área da Pediatria. Porém, nossa maior fonte de conhecimentos foi a Organização Mundial da Saúde (OMS). Esta instituição prima por normatizar ações educativas e preventivas em saúde. Pois a OMS enfatiza que na adolescência a prevenção tem de ser primordial, isto é, ela tem de anteceder os fatos, ela tem de ser realizada na origem dos problemas, muito precocemente. Então, para não delinquir na infância/adolescência é preciso ter um bom começo de vida.

Felizmente no Brasil a gestação na adolescência tem diminuído nas últimas décadas, embora ainda preocupe. A taxa era de 20% do total de gestações e agora, no estudo de Pelotas está em 14,5%. O bebê tem de nascer onde houver um par de bons cuidadores. A mãe deve fazer um pré-natal completo, deve preferir um parto natural numa maternidade qualificada. O hospital deve possuir o título de "Hospital Amigo da Criança", que significa estar preparado para prestar bons cuidados e ser um incentivador de aleitamento materno. Os vínculos criados entre mãe-bebê nos primeiros meses vão deixar marcas indeléveis na mente do bebê e serão marcadores de bom futuro. Outros vínculos também são fundamentais, como ter endereço fixo, pais trabalhando, ter avós, ter histórias de família.

Durante a primeira infância, que são os dois primeiros anos, é essencial pertencer a um grupo familiar. A família atual é variável. Ótimo se forem pai e mãe juntos. Poderá também ser uma avó, a mãe sozinha, outro familiar, mas é imprescindível que o cuidador seja protetor e que a criança possa ainda frequentar creche, se for preciso. Nos anos pré-escolares deverá estar vigiada pelos familiares e pela escolinha, devendo brincar muito. No período escolar os pais devem compartilhar sua evolução e a escola, ser acolhedora e estimulante. Nesta trajetória ideal, ao surgirem problemas de saúde ou de conduta, é preciso que exista um acesso fácil e seguro a um local de atendimento multiprofissional. Sabemos que os serviços são insuficientes! Há poucos pediatras, psicólogos, enfermeiros e assistentes sociais na rede pública e os casos não encontram acolhimento ou são atendidos com deficiências.

Diz a ministra Maria do Rosário que é preciso envolver a família, a sociedade e o poder público nas medidas preventivas. Todos temos uma parcela de responsabilidade. Lembro um filme de Ingmar Bergman sobre uma aldeia norueguesa onde havia um menino órfão com conduta antissocial. O que fazer com o menino era resolvido numa reunião da comunidade onde era decidido, em grupo, qual a família o acolheria e por quanto tempo. Com a descontrolada urbanização, impossível medidas deste tipo entre nós. Pode-se, entretanto, repensar em cada caso de distúrbio familiar e/ou infantil, as possibilidades de diagnóstico e de atendimento e lutar para que se concretizem as medidas necessárias e para que toda criança tenha um lar (talvez adotivo) para vivenciar sua infância de modo saudável. Se assim se fizer, será difícil transgredir socialmente na adolescência.
Fonte: http://conselhotutelarondeesta.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.