"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

segunda-feira, junho 13, 2011

Eles estão mais perigosos (Dados dos anos 2000,mudou?)

Robson Luquêsi

Um levantamento do Departamento da Criança e do Adolescente do Ministério da Justiça mostra o crescimento do número de menores de idade retidos pela prática de crimes graves. As estatísticas se baseiam na quantidade de prisões efetuadas em 1999 e entre janeiro e junho de 2000 (veja quadro). No ano passado inteiro, 2.400 jovens de 12 a 18 anos viram-se detidos, acusados de homicídio. Cifra que bateu em 3.000 apenas no primeiro semestre deste ano. No capítulo dos assaltos a mão armada, o aumento é ainda maior: 300 adolescentes foram presos em 1999 e 1.500 nos primeiros seis meses de 2000. Seqüestro? Um menor detido no ano passado, contra 22 de janeiro a junho últimos. O salto no número de prisões, infelizmente, não indica que a polícia brasileira ganhou em eficiência. Que teria passado a capturar os criminosos que antes escapavam de suas mãos. Significa, isso sim, que os bandidos adolescentes formam uma horda em expansão acelerada.

A razão mais forte para o fenômeno é a relativa impunidade de que gozam os menores no Brasil, graças a uma legislação que contempla mais a sociologia do que a criminologia – o Estatuto da Criança e do Adolescente. Quando um jovem desses é preso por ter cometido um delito pesado, já sabe que dificilmente permanecerá mais do que três anos detido. Aliás, o termo "preso" a rigor nem poderia ser utilizado. Menores infratores são julgados em cortes especiais e internados em instituições como a Febem, das quais é facílimo fugir. Essa perspectiva de uma pena branda representa um estímulo e tanto para que eles ousem cada vez mais. A maioria desses adolescentes não age de forma autônoma, mas a mando de bandidos adultos, que os usam para fazer o trabalho mais sujo. Afinal de contas, ao contrário dos marmanjos, a molecada está praticamente acima da lei. É o estatuto da malandragem.

A verdade é que a legislação atual é uma peça para inglês ver, sueco colocar em prática e brasileiro ignorar. Ela prevê que menores infratores tenham atendimento personalizado, sejam separados por faixa etária, compleição física e grau de delito cometido. As internações devem ser feitas em estabelecimentos com capacidade para quarenta pessoas, no máximo. Além disso, o trabalho de reabilitação precisa contar com a participação das respectivas famílias. As salvaguardas garantidas pelo estatuto só têm sentido se acompanhadas por tais providências. Não é o que acontece. Como não dá para virar uma Suécia em curto prazo, a saída mais rápida para atenuar o problema seria a redução da maioridade penal para 16 anos. Ou seja, a partir dessa idade, os menores infratores deixariam de contar com regalias. Passariam a ser julgados como adultos e a estar sujeitos às mesmas penas. Os defensores da medida acreditam que a sua simples aprovação levaria a uma queda brusca dos casos de criminalidade juvenil, já que a legislação não funcionaria mais como escudo para o bandido adolescente e o adulto que o arregimenta. No que se refere especificamente ao novo limite de idade que querem ver estabelecido, eles brandem um número em seu favor: cerca de 65% dos menores que cometem delitos graves têm entre 16 e 17 anos.


Tramitam hoje na Câmara Federal catorze projetos de emenda constitucional para reduzir a maioridade penal. Eles foram agrupados em um só texto que deverá ser votado em plenário no ano que vem. Quem é contra a idéia costuma utilizar o argumento da "questão social". Responsabilizar criminalmente menores de idade seria uma medida retrógrada que não atacaria a causa princip
al do problema – a falta de amparo, o abandono a que está submetida boa parte das crianças e dos jovens brasileiros. É um ponto de vista desfocado e que mistura alhos e bugalhos. Que os desajustes socioeconômicos são grandes e devem ser combatidos, ninguém discute. Mas eles não podem servir de justificativa para a impunidade. Os mesmos que acham ser a pobreza uma atenuante indignam-se quando a riqueza é invocada para privilegiar um criminoso. Não percebem que se trata também de uma "questão social".
Foto:Ormuzd Alves/Em menos de um ano, quatro vezes mais assaltos a mão armada

Fonte:http://veja.abril.com.br/081100/p_098.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.