"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quinta-feira, junho 16, 2011

Organização criminosa tenta dominar maior presídio de SC

Os juízes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que realizam Mutirão Carcerário em Santa Catarina encontraram, durante o primeiro dia de realização do mutirão, a sigla “PGC”, que corresponde a Primeiro Grupo Catarinense (PGC), em várias celas da Penitenciária Estadual de São Pedro de Alcântara, a maior do estado. Até o próximo dia 8, a mobilização, formada por juízes e assessores do CNJ, vai inspecionar todo o sistema carcerário de Santa Catarina, que conta com cerca de 15 mil presos distribuídos em 50 estabelecimentos prisionais.

Esta, segundo informação dos técnicos, foi a primeira vez que se teve contato com tal organização criminosa. Segundo o diretor do Departamento de Administração Prisional, Adércio Velter, a criação do grupo seria recente. “Mesmo assim, já existe uma tentativa de aproximação com organizações criminosas maiores, como o Comando Vermelho (RJ) e o PCC (SP)”, explicou. O diretor da Penitenciária Estadual de São Pedro de Alcântara, Carlos Alves, contou que o PGC seria responsável pelas oito mortes violentas ocorridas no local, desde o início do ano.

Segurança pública - De acordo com o coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do CNJ (DMF/CNJ), juiz Luciano Losekann, as mortes seriam uma tentativa de derrubar a atual direção do presídio. “Eles diziam que haveria uma morte por dia até que o diretor saísse”, afirmou.

Durante a cerimônia que formalizou a abertura do mutirão carcerário, realizada no Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina (TJSC) nesta segunda-feira (13/6), Losekann lembrou que o sistema prisional está diretamente ligado à segurança pública. “Enquanto mantivermos o modelo de prisão que chamo de presídio-lixo, estaremos reproduzindo a criminalidade”, disse.

Paz social - O presidente do TJSC, desembargador José Trindade dos Santos, ressaltou a importância do caráter pedagógico da pena, “e não somente o punitivo”. O desembargador disse que apoia “incondicionalmente” a realização do mutirão carcerário. “Não alcançaremos a paz social fazendo injustiça àqueles que já estão privados de um dos seus maiores bens: a liberdade”, afirmou.

Após a cerimônia, a coordenadora do mutirão, a juíza Soraya Brasileiro, o juiz responsável pelas inspeções, Carlos Ritzmann, e o coordenador da Coordenadoria de Execuções Penais, Infância e Juventude (CPIJ/TJSC), Alexandre Takaschima, reuniram-se com a equipe com vistas a definir ações para a realização do trabalho. Cerca de 170 pessoas, entre magistrados, servidores, defensores públicos e promotores de justiça, estão mobilizados na tarefa.

Manuel Carlos Montenegro
Agência CNJ de Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.