"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quarta-feira, junho 29, 2011

João Paulo defende porte integral de armas para agentes prisionais e portuários

“Pela natureza do trabalho que desenvolvem, os agentes prisionais e portuários continuam em risco de morte mesmo após deixarem os locais de trabalho. Sendo assim, para eles é razoável o porte de armas em período integral”, afirmou o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara, na terça-feira, 31 de maio. A declaração foi dada aos representantes das duas categorias, logo após a sessão da CCJC.
O assunto entrou em pauta na CCJC por meio do projeto (5.982/09), de autoria do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que altera o artigo 6º do Estatuto do Desarmamento, concedendo a posse de armas fora do período de trabalho aos agentes e guardas prisionais, integrantes das escoltas de presos e às guardas portuárias. A votação não foi concluída por falta de quorum.
João Paulo não divide opinião com determinados grupos de que a aprovação do projeto (5.982/09) é contrária à política do desarmamento. Para ele, é preciso deixar claro que o projeto não prevê a inserção de mais armas na sociedade, uma vez que os profissionais em questão já têm a posse, o registro e a patente de suas armas. A proposta compreende somente a concessão do porte fora da atividade. “A política do desarmamento é muito mais universal e não pode ser misturada com situações específicas. E eu sou favorável e defensor desta política”, afirmou João Paulo.
Para o vice-líder da bancada do Partido dos Trabalhadores, deputado federal Assis Carvalho (PT-PI), que pediu a conferência do número de membros no plenário, é preciso cautela para um maior entendimento da questão. “Historicamente, o PT tem uma posição favorável ao desarmamento, mas uma questão específica como essa merece questionamento. Precisamos entender a situação e analisar bem o projeto, antes de autorizar o porte integral de armas para um número tão grande de pessoas”, disse o deputado.
“Pedimos o direito à sobrevivência”, diz agente penitenciário
Na presidência da CCJ, após a sessão, João Paulo recebeu um grupo de guardas portuários da cidade de Santos (SP) e de agentes prisionais do Rio de Janeiro (RJ). Segundo estes representantes, aprovar o projeto 5.982/09 é acabar com uma contradição na lei, que autoriza o porte de armas para a categoria no exercício da função, mas não permite o porte fora do local de trabalho.
Para Francisco Rodrigues, inspetor de segurança e administração penitenciaria, essa situação só acontece porque a lei não é clara. “A condição de andar armado é o mínimo que o Estado de Direito deve conceber ao cidadão que lida com infratores. Traz respeito, dignidade e condições de vida. Não são nem condições de trabalho, mas de sobrevivência”, disse.


Agentes assassinados e torturados

O inspetor Francisco Rodrigues entregou aos deputados João Paulo e Assis Carvalho um levantamento com notícias e imagens fortes de agentes prisionais assassinados e torturados. “Pedimos que nos garantam o direito à vida, para que nossos agentes não morram mais diante de esposas e filhos, de forma tão horrenda como comprovadas aqui”, disse o inspetor.
Frente às revelações, João Paulo pontuou a reunião como de “extrema importância” e defendeu o pedido de contagem dos membros feito pelo deputado Assis Carvalho na sessão da CCJ. “Por causa da PEC 300, o tema do agente penitenciário é de maior conhecimento para esta Casa, enquanto que o do agente portuário é novo e, por isso, precisa ser discutido para que não existam erros ou confusões com outras questões” disse João Paulo.
Para o deputado Assis Carvalho, a falta de compreensão do projeto pode causar o contraponto com a campanha do desarmamento, que é defendida pelo governo. “Muitos grupos colocam este projeto como contraponto à campanha do desarmamento e, se os deputados trazem o assunto para a pauta desta forma, ocorre uma inversão que não deveria haver”, explicou. “Não me tenham como opositor, mas meu papel como vice-líder é trazer este assunto para o diálogo com a parte do governo que se opõe ao projeto, para resolver a situação” acrescentou.
João Paulo e Assis Carvalho se comprometeram em tratar do tema com o PT, com o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; e com o Chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. O projeto de lei 5.982/09 já foi aprovado pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado e voltará à pauta da CCJ, na Câmara, para avaliação da juridicidade, constitucionalidade e técnica legislativa. Se aprovado, o texto segue para aprovação do Senado.

Fonte:http://www.sindsistema.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.