"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Cada 4 horas, um adolescente é representado MP

A cada quatro horas, um adolescente é representado pelo Ministério Público da Paraíba na Justiça porque praticou alguma infração. No ano passado, os promotores de Justiça ofereceram 2.443 representações contra menores de 18 anos, em todo o Estado. Vários são os tipos de atos infracionais praticados pelos jovens, sendo que quase 60% deles se referem a furtos, roubos, tráfico de drogas e homicídios.

Os dados também revelam que o tráfico de drogas já é a terceira maior causa da delinquência juvenil. De cada dez infrações representadas pelo MPPB nas Varas da Infância e Juventude, uma é de tráfico de entorpecentes. Os roubos são responsáveis por 18,9% dos atos infracionais praticados por adolescentes e representados na Justiça pelos promotores de Justiça. Já o número de furtos praticados por menores (633, o que representa 25,9% de todas infrações registradas no ano passado) lidera o ranking da delinquência juvenil na Paraíba.

Em Comarcas como Patos (região localizada próximo do Polígono da Maconha e que faz parte da rota nacional e internacional do tráfico de drogas, de acordo com investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do MPPB e da Polícia Federal), 15,6% dos atos infracionais cometidos por adolescentes e representados pelo MP são referentes ao tráfico de entorpecentes. Esse percentual supera a média do Estado (10,6%). Já na Capital, o roubo corresponde a 32,5% das infrações.


Fatores que levam à delinquência


De acordo com a promotora de Justiça da Infância Infracional da Comarca da Capital, Ivete Arruda, é cada vez maior o número de meninos e meninas que se envolvem no mundo do crime. Alguns chegam a praticar assaltos a mão armada com pistolas 765 e a comandar o tráfico de drogas em algumas comunidades de João Pessoa. “Tenho caso de um menino de 14 anos que chefia uma boca e que usa metralhadora. Vem aumentando o número de meninas na infração. Elas sempre dão suporte para os assaltos. Não é muito comum elas estarem armadas, mas, em João Pessoa, temos meninas de 17 anos que são chefes do tráfico”, disse.

Para a promotora, vários são os fatores que levam os adolescentes à delinquência. “Esses meninos e meninas que são infratores reincidentes são, na maioria, aqueles que não receberam carinho, atenção nenhuma na infância e que foram rejeitados pela escola. Muitos são os fatores e o que mais me chama atenção é a facilitação da venda do crack, que está sendo vendido nas escolas no horário de intervalo e nos edifícios. Existem bocas dentro dos edifícios e isso não ocorre só na periferia. Temos inúmeros infratores que são de classe média alta, filhos de pais abastados e que são, realmente, traficantes”, disse.


“Estamos perdendo nossos meninos para o crack”


A promotora de Justiça Ivete Arruda é enfática ao afirmar que a Paraíba está perdendo seus meninos e meninas para o crack, que já estaria presente em 80% da Grande João Pessoa. Segundo ela, há casos de crianças com quatro anos que são viciadas em drogas, de meninos com dez e 11 anos que já foram recrutados pelo tráfico como “aviões” e de meninas de 11 e 12 anos que trocam sexo por entorpecentes com os próprios traficantes. “Os adolescentes entram no tráfico com a ilusão de que vão comprar um carro novo e ter a casa própria. Eles são enganados e o lucro que têm é mínimo”, disse.

Na avaliação da representante do MPPB, as drogas já representam um problema de saúde pública e a ausência de serviços para o tratamento dos dependentes é um grande entrave. “Todos os adolescentes que traficam drogas são dependentes, sem exceção. E, não há na Paraíba nenhum serviço público voltado para a desintoxicação e o tratamento desses jovens, o que é um grande entrave. Recebo, por semana, de quatro a seis meninos pedindo ajuda para não morrer. Não porque desistiram de usar a droga, mas porque estão com medo de serem assassinados, aí pedem para ir para uma instituição. De seis que a gente consegue mandar, um se mantém na instituição porque quer se livrar das drogas; os outros evadem”, lamentou.

No ano passado, a promotora representou um adolescente de 15 anos que seria o chefe de uma “boca”. O garoto está apreendido e é acusado de praticar sete homicídios. “Três homicídios são confessos e em quatro deles, o adolescente foi reconhecido pelos parentes das vítimas.

Fonte: http://www.clickpb.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.