"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quarta-feira, março 28, 2012

Juízes visitam adolescentes viciados em crack para decidir destino deles

Para que a intervenção da Justiça aconteça mais rapidamente e seja mais eficiente, grupo de desembargadores, juízes, promotores e defensores públicos decidiu deixar seus gabinetes e ir ao encontro de crianças e jovens.

Em São Paulo, juízes visitam crianças e adolescentes viciados em crack antes de decidir qual será o destino deles. A repórter Graziela Azevedo acompanhou a primeira audiência.

Em um dos melhores abrigos de São Paulo, vivem 20 crianças e adolescentes que conheceram a pobreza, a violência, o abandono e as drogas.

“Trabalho em uma empresa de publicidade e estudo à noite”, diz uma jovem.

“Agora, eu estudo, trabalho. Nada de ficar parado, sempre tem alguma atividade aqui na casa para a gente fazer. Sempre temos a mente ocupada”, conta um rapaz.

Mas para estarem cercados de cuidados e olhando para o futuro, o caminho não foi fácil e nem sempre a Justiça ajudou.

“Eles acham que a melhor opção é Fundação Casa ou clínica. Eles nunca pensam assim: ‘vamos ver essa família como está?’”, diz a jovem.

“Não é ação de compreensão do que está acontecendo. Até porque o menino já chega na vara, no conselho tutelar, nessa rede, como culpado ou como inviável. E como culpado ou inviável, ou você serve para ser atendido de determinado jeito ou de determinado jeito”, avalia Valéria Pássaro, coordenadora do abrigo.

Para que a intervenção da Justiça aconteça mais rapidamente e seja mais eficiente, um grupo de desembargadores, juízes, promotores e defensores públicos decidiu deixar seus gabinetes e ir ao encontro de crianças e adolescentes que usam crack.

A experiência começou no serviço da prefeitura, onde estão internados 33 jovens com menos de 18 anos. Aos servidores da justiça se juntaram representantes das áreas da habitação, trabalho, assistência social e saúde.

“Geralmente, juiz tem um trabalho muito solitário. Ele decide sozinho. Aqui, eu decido com todos. Não é só a visão do Judiciário, é a visão de todos. Eu imagino que, com isso, o adolescente e a criança saem melhor atendidos”, diz o juiz Iasin Issa Ahmed.

O caso discutido foi o de uma jovem usuária de crack internada há cinco meses. A mãe, que ela não via há sete meses, foi encontrada e levada para o local. “Ela vai sair daqui para uma residência terapêutica, onde ela deve permanecer por ordem judicial. Nós estamos querendo agora correr atrás de demanda ao invés de a demanda vir ao nosso encontro”, afirma o desembargador Antonio Carlos Malheiros.

Fonte: http://g1.globo.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.