"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

segunda-feira, março 26, 2012

Maus hábitos da adolescência

Médicos alertam que cada um deve ter a sua própria garrafinha de água.

LUIZA ANDRADE

"Ei, me dá um gole da sua água?". Essa é uma frase que está sempre presente nas salas de aula, principalmente quando tem matéria importante no quadro e os alunos não podem caminhar até o bebedouro, que fica do lado de fora.

A camaradagem faz parte da rotina de muitos estudantes. Afinal, se o seu amigo lhe pede um gole d’água, por que não emprestar a garrafinha, certo? Errado.

Segundo a presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da Associação Médica de Minas Gerais, Andreia Luccesi, o que poucos adolescentes sabem é que, em apenas 1 mm de saliva, há mais de 150 milhões de bactérias. "Claro, a maioria delas vive em harmonia com o ambiente. Mas, e se houver apenas uma que pode fazer mal?", instiga.

Os hábitos adolescentes de camaradagem podem dar espaço para a transmissão de doenças que, em sua maioria, são assintomáticas. Isso significa que o estudante pode pegar a doença e, sem saber que é portador, disseminá-la entre os colegas. "Quando os amigos ficam doentes, o adolescente nem desconfia de que pode ter sido ele mesmo que começou o surto", afirma Luccesi.

A especialista explica que a maioria das doenças transmitidas entre os adolescentes é de infecções virais, quase sempre transmitidas pelas vias respiratórias, e não pelas mucosas. "Por mais que os jovens não troquem saliva, só de cochichar perto do outro pode transmitir vírus", diz a médica.

Para Amanda Villela, 15, levar a própria garrafa d’água para a escola é imprescindível. "Quando alguém me pede água, mando beber lá fora", brinca. Contudo, segundo a aluna, apesar dos cuidados de higiene, às vezes, é difícil ceder à pressão dos amigos. "Fico receosa, mas são pessoas que eu conheço. Eu sei como são os hábitos de higiene dos meus amigos", justifica.

O caso é ainda pior entre os garotos. Segundo Marília de Freitas Makaroun, ebiatra e psiquiatra da infância e do adolescente, essa é uma fase da vida em que as pessoas estão bastante inquietas. "São muitas as vontades, os anseios", diz. Por isso, segundo a especialista, os adolescentes, e principalmente os garotos, estão sempre mexendo nas roupas, pegando nos tênis, coçando os ouvidos. E esse "mexe remexe", somado à falta de atos básicos de higiene, como lavar as mãos, pode acabar transmitindo doenças muito mais sérias do que a simples gripe, como a hepatite B, a mononucleose (doença do beijo), a herpes ou a doença meningocócica, que causa a inflamação da membrana do cérebro e pode até levar à morte.

Infecção

Risco. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 500 mil pessoas contraem a doença meningocócica por ano, em todo o mundo, e 10% desses casos resultam em morte.

Fonte: http://www.otempo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.