"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

sexta-feira, junho 03, 2011

Adolescentes usuários de drogas subestimam o risco da AIDS

“A pesquisa foi uma forma da gente conhecer melhor a população com a qual estava lidando”, explica Thiago Fidalgo, estudante do 5º ano de medicina da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, sobre a motivação para a realização da pesquisa. Thiago, ele próprio recém-saído da adolescência, trabalha no Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes - Proad, serviço ligado ao Departamento de Psiquiatria da Unifesp que trata de dependentes de substâncias lícitas ou ilícitas. O estudo, que contou com o apoio dos pesquisadores Evelyn Doering da Silveira e Dartiu Xavier da Silveira, é “parte” do seu “projeto de iniciação científica”.
Outro dado importante da pesquisa, segundo Thiago, é o fato de que os usuários de drogas psicotrópicas têm quatro vezes mais parceiros e relações sexuais. “Apesar do índice de uso de camisinhas não diferenciar muito entre os grupos, 55% contra 58%, respectivamente, os usuários estão mais expostos às doenças sexualmente transmissíveis justamente por apresentarem maior número médio de parceiros e de relações e, assim, menor uso proporcional do preservativo”, conclui Fidalgo. Nos dois grupos pesquisados, usuários e não-usuários, apenas 15% dos entrevistados já realizaram teste de HIV após o início da vida sexual.
O estudo, apresentado no Congresso Mundial de Psiquiatria (realizado no Cairo, capital do Egito) do ano passado, analisou 84 adolescentes com idades médias entre 15 e 18 anos (na época da pesquisa). Desses, 43 jovens eram de não-usuários, enquanto o restante era de dependentes químicos em tratamento no próprio Proad. “A gente entregou diversos questionários em escolas. A nossa preocupação era de sempre fazer essa separação entre usuários e não-usuários”, explica o ainda estudante de medicina Thiago. Entre os não usuários, todos alunos de escolas da região da Vila Mariana (zona sul de São Paulo), o início da vida sexual foi entre 14,5 e 15,5 anos. Os dependentes químicos começam a vida sexual mais cedo: entre 13 e 14 anos.
Dentre os pesquisados, 52% dos não-usuários do sexo masculino já tiveram relações sexuais. No caso dos usuários de drogas psicotrópicas, esse percentual alcança 97%. Entre as mulheres, apenas 20% das não-usuárias já tinham iniciado a vida sexual (na época do levantamento), contra 80% das usuárias. “O sexo preenche uma lacuna entre os usuários. Eles procuram o autoconhecimento e uma imagem do que desejam ser. O torpor causado pela substância e pelo desejo de atingir a plenitude pode levá-los a uma vida sexual extremamente ativa e, conseqüentemente, a desenvolver comportamentos de risco”, explica Thiago. Ele ressalta que, “nos outros parâmetros”, os dois grupos pesquisados “são bem parecidos”. “A questão da sexualidade é uma questão da adolescência”.


Fonte: www.einstein.br/alcooledrogas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.