"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

sexta-feira, outubro 14, 2011

CRACK DEIXA MULTIDÃO DE ÓRFÃOS

Um dos efeitos mais devastadores do crack está crescendo silenciosamente no país e com nenhuma atenção especial por parte do poder público. Crianças e adolescentes retirados da convivência dos pais usuários da droga lotam abrigos e casas de passagem à espera de uma família substituta. Na maioria dos casos, o que resta aos assistentes sociais é trabalhar a autonomia dos menores. Poucos conseguem ser adotados.


Somente em Belo Horizonte, pelo menos três casos de filhos de pais viciados em crack chegam por semana à mesa do juiz da Vara da Infância, Marcos Flávio Lucas Padula, para serem retirados do convívio familiar. “A gente percebe que 90% das perdas da guarda estão relacionadas com o crack”, afirmou o magistrado.


O diagnóstico do problema é ignorado por órgãos criados para dar assistência aos menores. A Associação Municipal de Assistência Social (Amas), responsável por assessorar os conselhos tutelares da capital, informou que não há um programa específico para tratar dessas crianças nas nove regionais. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente informou à reportagem que desconhece o volume de ocorrências relacionadas ao tema.


Bruno*, 11, não integra uma estatística oficial, mas faz parte da legião de abandonados. Desde o fim de junho, o menino vive em uma casa de acolhimento no bairro Santa Mônica, na região de Venda Nova. Ele e sua irmã de 14 anos aguardam uma família substituta. A mãe passa os dias nas ruas consumindo crack. Mas isso não impediu que Bruno fugisse de um abrigo anterior, no início do ano, para voltar a viver com ela. “Ele está fazendo um programa de ressocialização, com atividades como futebol, oficinas de lazer e está na escola. Ainda sabemos pouco da história dele, estamos investigando”, contou a técnica social Carla Alves, coordenadora do abrigo. O apoio psicológico, quando é feito, é oferecido por meio de parceria com universidades.


Junto com seis irmãos, Rodrigo*, 14, foi retirado de casa pela Justiça. Na residência, ele convivia com o vício dos pais e assistia à venda de drogas. Morando atualmente em um abrigo, o menino diz que sente falta da família e sofre com a distância dos irmãos, também levados para outros abrigos. Rodrigo diz que busca na leitura uma forma de encarar a solidão. E foi nos livros que ele encontrou um aprendizado. “Aprendi que por mais que a vida coloque dificuldades no seu caminho, você sempre vai conseguir superar”.


*Os nomes foram trocados para preservar as identidades dos menores


CRÍTICA


Especialista defende políticas diferenciadas


A falta de uma política pública para o tratamento diferenciado de crianças órfãs por causa do uso do crack pelos pais, de acordo com o psicanalista e professor de psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Guilherme Massara, traz consequências graves para os menores.


O especialista defende um programa diferenciado de acolhimento para os órfãos, já que os transtornos decorrentes da situação de abandono podem criar problemas psíquicos e de desenvolvimento nas crianças. A retirada dos filhos das famílias, de acordo com Massara, é uma solução necessária. No entanto, um novo problema é criado durante o encaminhamento para locais sem estrutura. “Há cada vez mais crianças nessas condições. As políticas estatais têm que valorizar isso, capacitando profissionais, aparelhando as instituições.”


MINI ENTREVISTA COM


Marcos Flávio Padula


“Quando os casos chegam para mim, já estão insustentáveis”


Qual o impacto do crack nas decisões de retirada de guarda?


Estamos percebendo que, de seis meses para cá, recebemos 12 casos por mês relacionados ao abandono por parte de pais usuários de crack. Começou a aumentar muito recentemente.


Que tipo de caso chega até o senhor?

Quando os casos chegam para mim, já estão insustentáveis. Chegam em tal grau de comprometimento familiar que o próprio tratamento se torna difícil. O prognóstico de uma melhora é improvável. Temos uma junta de psicólogos para avaliar isso.

A melhor solução para os menores é o abrigamento?

Evidentemente, havendo o mínimo de possibilidade, tentamos o encaminhamento dos pais para programas de toxicômanos. Se há pelo menos alguma perspectiva positiva, vamos tentar. Mas tem que ter um prazo razoável.A criança não pode ficar um ano esperando, sem oportunidade.

Transcrito do Jornal “O Tempo” (24/08/2011)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.