"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

quarta-feira, outubro 12, 2011

Prisioneiras pedem pizza, fazem refém e fogem

Nove mulheres agrediram uma carcereira após receberem a comida na cela e saíram da cadeia de Nova AdéliaJanaina de Paula
Agência BOM DIA

A Corregedoria da Polícia Civil de Rio Preto, a 454 km de São Paulo, vai apurar se houve facilitação por parte da carcereira Delfina Vicentim na fuga de nove presas da cadeia feminina de Santa Adélia, a 373 quilômetros de São Paulo.

O caso ocorreu no sábado à noite após as presas pedirem pizza num restaurante da cidade. A prática era comum, segundo os responsáveis pela cadeia. De acordo com o delegado corregedor, José Mauro Venturelli, a funcionária e o diretor da unidade, Antônio Junqueira Vilela, terão de dar explicações sobre o caso.

Delfina está afastada para se recuperar das lesões sofridas – ela tomou socos e pontapés das prisioneiras. A carcereira foi rendida quando iria entregar as pizzas. Obrigada a abrir a cela, foi amarrada pelas detentas, que em seguida saíram pela porta da frente da cadeia.

As presas que não fugiram pediram ajuda aos moradores vizinhos à prisão após soltarem a carcereira. Até a conclusão desta edição apenas três fugitivas tinham sido recapturadas.

O pedido de comida extra em unidades prisionais é proibido, mas o delegado responsável pela cadeia admitiu que em Santa Adélia essa prática era corriqueira e acontecia em qualquer dia da semana. Além de pizzas, as presas também comiam lanche de fora.

“As presas fazem os pedidos e os funcionários providenciam com a minha autorização. Eu não vejo nada demais nisso”, afirmou Vilela. Segundo ele, as detentas trabalham confeccionando tapetes e recebem por isso. Cada um é vendido por R$ 20. Com esse dinheiro, elas pagam pela comida. Mesmo assim, todas recebem diariamente café da manhã e marmitas no almoço e no jantar.

O delegado seccional de Catanduva, Ely Vieira de Faria, que comanda o trabalho da Polícia Civil em Santa Adélia, diz que não sabia da regalia. “Eu não admito que isso ocorra”, afirmou. A Secretaria de Segurança Pública não se manifestou sobre o caso. A cadeia tem capacidade para 24 pessoas, mas abrigava 33 mulheres no sábado. Todas cumprem pena por tráfico de drogas.
Fonte: http://www.diariosp.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.