"Agentes de Segurança Socioeducativo ajudem ao SINDSISEMG a melhorar as condições do Sistema Socioeducativo, filiem-se, acessem e participem dessa conquista.

segunda-feira, outubro 31, 2011

Estrago poderia ter sido bem maior, afirma testemunha


Parente de uma das vítimas estava no bar e disse que não ocorreram mais mortes no local porque clientes se esconderam

ALINE GONÇALVES



Familiares dos três mortos nos ataques a tiros que deixou ainda 12 feridos nos bairros Glória e São Salvador, na região Noroeste da capital, estiveram ontem no Instituto Médico Legal (IML) e ainda estavam abalados com a tragédia. Chorando muito, parentes de Leonardo José de Souza, 20, deixaram o local por volta das 14h.

Um familiar, que pediu para não ter o seu nome divulgado, contou que também estava no bar onde os três rapazes morreram e deu detalhes sobre o tiroteio. "Ele já chegou disparando. Só deu tempo de tentar me proteger", revelou sem saber quantos ou quem eram os autores.

Segundo ele, na hora dos tiros, o estabelecimento comercial estava lotado e só não houve mais vítimas porque muitas pessoas se abaixaram. Ele revelou ainda que o jovem de 17 anos foi reconhecido imediatamente por pessoas que estavam no local, já que não usava nenhum tipo de máscara para esconder o rosto. "Eu não o conhecia, mas muitas pessoas o identificaram", contou.
O parente contou também que Leandro de Castro Moraes, de 27 anos, que faleceu horas depois no Hospital João XXIII, percebeu a gravidade de seu estado após ser atingido pelo tiro. "Na hora ele disse que ia morrer, que já sabia". A terceira vítima, Brainer Gomes Martins, de 19, era amigo dos outros jovens assassinados. Ele não frequentava o bairro havia seis meses.

Na manhã de ontem, o bar onde aconteceu o tiroteio funcionou normalmente. Testemunhas que sobreviveram ao crime ainda estavam assustadas. Uma dona de casa de 42 anos, que pediu para não ter o seu nome revelado, disse que, antes de o menor atirar, uma jovem que estaria na companhia dele teria entrado no bar para comprar cigarros. "Como não havia a marca que ela queria, a dona do bar foi buscar no estoque. Quando saiu, começaram os tiros", contou.
Segundo a Polícia Civil, Leandro Moraes deve ser enterrado hoje, no Cemitério da Paz, no bairro Caiçara.

Até o início da noite de ontem, os familiares das outras duas vítimas ainda não haviam decidido os locais dos sepultamentos.

Fonte: www.otempo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é importante para nosso aperfeiçoamento e avaliação das demandas necessárias dos Agentes de Segurança Socioeducativos, contamos com a educação, o bom senso a o união de todos na construção de um sistema melhor e verdadeiramente eficiente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

LEI DO PORTE DE ARMA PARA AGENTE

Vamos participar desta campanha para que nossa categoria tenha o porte de arma estabelecido em lei, não perca tempo.

Clik na imagem para participar

Os Agentes precisam dê seu voto

Os Agentes precisam dê seu voto
Participe da Petição Pública, clik na imagem acima.